Quarta-feira, 21 de Julho de 2010

Pintura a Café II

E como um só quadro, uma só obra, uma só pintura, um só exercício não me parece que chegue... Ando a preparar uma pequena série de quadros de menores dimensões dos que por norma costumo fazer, a café. Exacto!

Aqui fica o segundo...

 

"Perfume de Mulher"

Café sobre tela

30 x 40 cm

2010

Sara Vieira

 

E alguns pormenores...

 

 

 

Não é uma técnica que confira grande exactidão mas sim impacto. Não funciona por traço mas sim por mancha, quase como se fosse a técnica do desenho realizado com a borracha por cima do fundo de carvão... mas com aguadas que fazem lembrar aguarela... E o resultado com cor café, chocolate, caramelo, sépia é muito interessante.

publicado por Sara V. às 01:32

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Pintura a Café I

Ando numa fase de experiências... De conhecer novas texturas, inalar diferentes aromas, provar outros sabores... Numa fase de exploração e descoberta...

Pensando bem, acho que ando sempre nessa fase! Afinal, a vida é curta para o que quero viver e fazer... Pena não ser como os gatos, só tenho uma vida... Portanto, há que correr!

Já dizia o ditado "parar é morrer" e nisto das Artes acredito, seriamente, que vou morrer muito antes de descobrir tudo. É, realmente, um mundo infinito de criatividade, materiais, técnicas... É outro mundo. Um mundo inteiro paralelo ao meu...

Bem, decidi experimentar pintar com café.

Café sobre tela.

Não é um processo que me apaixone, para ser franca, mas do qual muito aprecio o resultado final.

Ficamos com uma obra aromática, com um cromatismo único e muito natural e com um brilhooooooo..... Parece caramelo cristalizado...

Aqui fica...

 

"Mulher (café) I"

50 x 60 cm

Café sobre tela

2010

Sara Vieira

publicado por Sara V. às 01:20

link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 15 de Agosto de 2008

Tertúlia Virtual: Água

 Do Rio e do Mar 

 

 
 
Ela era um rio. Ele era um mar.
Ela era doce. Ele era salgado.
Ela corria saltitante pelos campos verdes, contornando uma ou outra rocha.
Ele era calmo e a perder o infinito, profundo e triste.
Ela era ardilosa, cheia de remoinhos onde menos se esperava.
Ele sofria de cóleras de tempos a tempos, uma força da Natureza, capaz de arrastar terras e pessoas.
Um dia, ela foi correndo, correndo, cheia de pressa sem saber bem porquê e tropeçou numas cataratas que desaguavam no mar. Ainda quis regressar mas já não teve força para parar o seu impulso.
Nesse dia, o mar estava calmo e, com a afluência do rio, a sua maré encheu doce e suavemente. O rio, assustou-se, sentiu-se perdido, sem saber para onde correr na imensidão. Soltou uma lágrima que provocou uma pequena onda no mar.
O mar sentiu vontade de embalar o rio, devagarinho, devagarinho. Assobiou-lhe uma cantiga ao ouvido.
O rio estremeceu de prazer com o que o mar lhe cantava baixinho.
O mar, sabendo que o rio não podia fugir e que já fazia parte de si, abraçou-o de mansinho e com ternura sentou-o ao colo.
O rio, mais tranquilo e completamente rendido aos braços fortes do mar, encostou a sua cabeça na onda e sentiu o pulsar do coração alheio a acelerar.
O mar beijou o rio com suavidade e sabedoria.
O rio teve a certeza de que o mar também lhe pertencia e apaixonou-se perdidamente. O mar quis fazer amor com o rio mas o rio assustou-se e tentou fugir.
Em vão, porque o mar saiu logo no seu encalce. Correram separados para depois correrem juntos.
O rio, cansado de recear os sentimentos, deixou-se apanhar pelo mar. De tal forma se envolveram, entre festas e outras carícias, que fundidos num só, rebolaram, enrolados numa sofreguidão quase ensandecida.
Perderam a conta aos dias, às luas, às marés. Criaram ondas e ondas até que sem se aperceberem caíram no oceano... No oceano da eternidade, onde estavam destinados a darem beijos com sabor a algas e a icebergues para que pudessem sempre regressar às origens. Para que o mar pudesse voltar a ser um mar triste e profundo e o rio reencarnasse alegre e inquieto. Para que se voltassem a encontrar, a completar e celebrassem com alegria o forte sentimento que os unia. Para que esse amor fosse cada vez maior e mais forte.
O mar e o rio estavam destinados a pertencerem um ao outro por séculos e séculos... Até deixarem de ser água, doce e salgada, e o seu amor secar...
 
 
 
 
 
 
OBS.: Texto de ficção escrito e ilustrado por mim
 
P.S. - Claire!
publicado por Sara V. às 10:00

link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
|

Sara

pesquisar

 

Maio 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
18
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Pintura a Café II

Pintura a Café I

Tertúlia Virtual: Água

na maleta

Maio 2016

Março 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Maio 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Outubro 2013

Dezembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Abril 2012

Março 2012

Novembro 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Locations of visitors to this page Estou no Blog.com.pt

links

tags

todas as tags

RESERVAD@S TODOS OS DIREITOS DE AUTOR (É proibida a reprodução total ou parcial dos meus quadros/desenhos/ilustrações sem a indicação expressa das autoria e proveniência)

favoritos

novamente...pico, pico! (...

Mulheres retratadas em gr...

RESERVAD@S TODOS OS DIREITOS DE AUTOR (É proibida a reprodução total ou parcial dos meus quadros/desenhos/ilustrações sem a indicação expressa das autoria e proveniência)
blogs SAPO

subscrever feeds